quinta-feira, 2 de abril de 2009

1986... HOJE.

E quantos foram os braços
e quantos foram os abraços,
quantos beijos,
desejos projetados.

Voa, voa sonho plebeu
pra bem longe daqui,
pra bem longe da massa reunida
que observam de lá pra cá,
seu herói passear
nas asas do poder.

Um herói latino americano
num gozo descontínuo,
ejaculando sobre a cabeça de milhões,
um contingente de indigentes,
povo de estatística,
números da fome,
da miséria e da peste,
da violência, mortalidade infantil
e cota na faculdade.

E defraudada a bandeira
da ignorância e presunção,
deitados em berço esplêndido,
trocam-se metas e rumos
e como diria alguém
ser ignorante no Brasil
não é defeito, muito menos anormal,
mas ser presunçoso o é quase doentio.

Surgem novas siglas partidárias,
novos planos econômicos,
pacotes e projeções,
votam-se emendas
e ao final de tudo
os fins ainda justificam os meios
e coligados ou não
ditam regras
num eterno palanque,
a discursar um sorriso
elegante e sutil
pro povo subserviente.


PAULO ROBERTO WOVST LEITE
Desengajado e neutro

Um comentário:

  1. O Brasil tem tantas coisas lindas, tantas riquezas, um povo (a maioria)de bom coração...porque será que uma minoria faz tanta diferença?
    Abraços da Lis, voltarei mais vezes.

    ResponderExcluir